sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Uma pequena reflexão sobre o Black Metal Underground Carioca




Uma pequena reflexão sobre o black metal underground carioca

Quando fui convidado pra fazer uma resenha sobre a “nossa” cena, achei que poderia estragar o Zine do meu amigo Anderson Andrade, muitos me consideram radical demais, e não sei se seria a pessoa mais adequada a falar sobre este tema; Pois bem, aqui estamos, e eis que decidi falar; Comecei o meu próprio culto em 1998, e não me sinto no direito de falar da cena antes dessa época, em 1998 eu era apenas uma criança que comprou seu primeiro álbum, “A Blaze In The Northen Sky” e embora seja um dos melhores álbuns que pude escutar até hoje, comprei-o pela capa, e pude experimentar a sensação mais inacreditável da minha vida, a sensação de estar vivo, e morto ao mesmo tempo, a sensação de ser parte da escuridão... Deste então, não pude escutar qualquer música que se auto-intitulasse “black metal”   que não me causasse essa sensação;  Em todos esses anos pude presenciar apenas algumas bandas de nosso estado que tivessem esse mesmo modelo de arte, e que fique claro, não estou aqui menosprezando ninguém, é só a ”minha”  forma de ver as coisas, algumas bandas realmente conseguiram “aprisionar” a minha atenção, e duas delas, duas das melhores em todo o mundo já se foram, é o caso do Nocturnal Worshipper & do Dark Forest,  e ainda sinto a falta da presença delas, embora elas permanecerão para sempre em meu coração! ...Outras ainda estão na ativa, é o caso do “Velho”, "Imperador Belial" e do “Old Throne”, bandas que captaram bem o tipo de sentimento que prezo, enquanto outras bandas, pela brutalidade alheia, me fazem perder o prazer de viver! Isso mesmo, PERDER O PRAZER DE VIVER! Eu espero que as coisas melhorem daqui pra frente para o verdadeiro, aquele com o mesmo sentimento do “A Blaze...”, porque já estou cansado de ver bandas cariocas, sem nenhum sentimento, indo e vindo da Europa, como se fosse de Caxias pro Centro do Rio; mas não posso me importar tanto com elas, elas nem mesmo sabem pra onde estão indo, enquanto nós, já estamos na estrada a muito tempo, do “Lento exílio para o vale do esquecimento” *.


*Música de Ymber Autumnus 
 
Por Raphael Fonseca



*Nota do bloguista :Raphael Fonseca, guitarrista da banda Twiligth Burial e o mais novo colaborador do Cenário Zine.

5 comentários:

Anônimo disse...

Concordo.

Anônimo disse...

RESPEITO SUA VISAO , E ISSO QUE TA ACONTESENDO NO SEU PAIS , ACONTESE EM MUITOS LUGARES , MAS NAO BAIXE OS SEUS BRACOS , EM NOS ESTA O DEBER DE CONTINUAR COM A LUTA E TENTAR VER CRESCER A ESCENA DO UNDERGROUND , RESPEITO SEU PENSAMIENTO HERMANO +666+

A LAS PUERTAS DEL DELIRIO LADO B disse...

RESPEITO SUA VISAO , E ISSO QUE TA ACONTESENDO NO SEU PAIS , ACONTESE EM MUITOS LUGARES , MAS NAO BAIXE OS SEUS BRACOS , EM NOS ESTA O DEBER DE CONTINUAR COM A LUTA E TENTAR VER CRESCER A ESCENA DO UNDERGROUND , RESPEITO SEU PENSAMIENTO HERMANO +666+

Anônimo disse...

Talvez você ache que algumas bandas passem "o sentimento" e elas não passem de uma farsa.
Você está querendo falar de um sentimento subjetivo certo?que condiz contigo... analisar um fato na cena carioca,nenhum.

Raphael Fonseca disse...

Fato?! Não existem fatos eternos, meu amigo! ...E se você não é capaz de sentir a diferença, então você realmente está no lugar errado! ...Mas como eu disse, essa é apenas a "minha reflexão"! ...Uma pequena reflexão!